E se pudesse homenagear alguém que o ajudou durante os últimos tempos?


04 Sep

Num ano em que houve tantas histórias inspiradoras, a Nobre Casa de Cidadania quer distinguir os cidadãos comuns.

Ao longo dos últimos meses, como aconteceu em tantos outros países, Portugal viveu tempos de exceção. Felizmente, à medida que a pandemia do novo coronavírus começou a afetar cada vez mais as famílias e as suas economias, a capacidade de entre-ajuda e as ações solidárias dos portugueses foram-se multiplicando.

Durante este período, nasceram vários projetos de apoio a grupos de risco, que juntaram muitos voluntários; foram doados alimentos, roupas, bens essenciais ou dinheiro a várias associações; e criadas milhares de ações locais entre vizinhos, amigos e até desconhecidos.

A pandemia, contudo, só acentuou os gestos solidários (e por vezes invisíveis) que todos os dias acontecem pelo País. Já antes deste período havia quem entregasse refeições a idosos, quem participasse nos projetos de voluntariado da sua cidade, quem entregasse roupas a instituições carenciadas ou quem organizasse limpezas de lixo pelas praias. Todos estes gestos, obviamente, conduzidos por cidadãos comuns, que o fizeram sem pedir nada em troca, em prol da garantia de uma ajuda a quem mais precisa dela.

Perante estes cenários, conhece alguém que mereça ser homenageado pelos seus atos inspiradores? Quer ajudar a perdurar esses atos através do seu reconhecimento público? Pois bem, agora pode fazê-lo com a ajuda da Nobre Casa de Cidadania.

Fundada em 2013, a iniciativa da Nobre nasceu com um simples mas importante objetivo: reconhecer e homenagear os cidadãos anónimos que realizaram atos nobres e, através desses exemplos, estimular e inspirar o espírito de cidadania, contribuindo para a melhoria cívica da sociedade.

As candidaturas para a atribuição do “Título Cidadão Nobre” já estão a decorrer no site da Nobre Casa de Cidadania, através do preenchimento de um formulário — terminam no dia 31 de outubro.
www.nobre.pt/nobrecasadecidadania/propor-ato-nobre

Qualquer pessoa pode submeter uma candidatura, de atos isolados ou prolongados no tempo, e homenagear um cidadão nacional ou estrangeiro, residente em Portugal, que tenha praticado um ato nobre no último ano. Porém, a pessoa que submete a candidatura não pode ser o autor do ato partilhado.

https://www.nobre.pt/nobrecasadecidadania