Máscaras de proteção COVID-19: que tipos existem e onde comprar?


01 May

A oferta e a procura de máscaras de proteção contra o Coronavírus dispararam. Saibam tudo sobre este dispositivo que passou a ser tão importante nas nossas vidas.

Ouvimos muitos nomes: máscaras descartáveis, máscaras de bico de pato, máscaras de proteção, máscaras reutilizáveis, respiradores... Fala-se sobre FFP, máscaras de nível 1, 2 e 3, viseiras e filtros TNT. Que confusão! Afinal que máscaras existem, quais devemos usar e onde podemos encontrá-las? 

Antes de mais, importa ressalvar que o uso de máscaras de proteção pela comunidade vai ser obrigatório a partir de 4 de maio nas escolas, nos transportes e no comércio, assim como em espaços fechados com elevado número de pessoas. Existem ainda alguns estabelecimentos declararam obrigatoriedade de uso de máscara pelas pessoas que os frequentam - é o caso de alguns bancos e supermercados.

Também não está provado que a utilização de máscaras pela comunidade seja eficaz na prevenção da infeção. No entanto, estudos recentes mostram que as máscaras podem reduzir a transmissão do vírus para o ambiente nos casos de pessoas sintomáticas, assintomáticas ou pré-sintomáticas do Coronavírus.

Assim, o uso de máscara é importante para proteger os outros (e esta é também a melhor forma de nos protegermos a nós) até que seja produzida e disponibilizada uma vacina eficaz contra o vírus.

Nota: este artigo baseia-se em informações oficiais da DGS, Infarmed e Covid19EstamosON. Foi atualizado pela última vez a 30 de abril de 2020.


Que tipos de máscaras existem?

De acordo com a informação oficial da DGS, existem 3 tipos de máscaras:

Respiradores: também reconhecidos por FFP (do nome Filtering Face Piece, em Inglês), estes dispositivos são aqueles que devem ser usados pelos profissionais de saúde, pois protegem tanto o médico quanto o doente.

Máscaras cirúrgicas: estas máscaras, quando usadas por pessoas infetadas, previnem a transmissão do vírus para os outros. Assim, funcionam para proteger as outras pessoas do utilizador da máscara, caso este esteja infetado ou em situação de suspeita de infeção.

Máscaras não-cirúrgicas, comunitárias ou de uso social: estas são as máscaras de proteção destinadas à população geral. São feitas de diferentes materiais têxteis mas - ATENÇÃO - nem todas são certificadas como dispositivos que protegem do COVID-19.

Podem encontrar informações sobre as especificações técnicas e níveis de proteção das máscaras destinadas ao combate da COVID-19 no documento abaixo.

https://mundopaisfilhos.pt/_files/200002738-78a0578a09/2020-4-14-11-30-19-4__Mascaras_Utilizacao_Comunitaria.pdf 


E quais devemos usar?

As opções mais adequadas para a grande maioria da população são as máscaras de proteção comunitárias ou de uso social, de nível 2 ou 3. Recomenda-se que se comprem máscaras certificadas na proteção contra o COVID-19.


Onde comprar máscaras certificadas?

Existem no mercado várias máscaras com certificados de proteção falsos, o que representa um perigo para todos - não apenas os que as usam. A DGS aconselha que se tenha em atenção a certificação, que é a única garantia de que a máscara que estamos a usar vai proteger os outros caso estejamos infetados.

De acordo com o Infarmed, todas as máscaras de uso comunitário (tipo 1 e 2) "não enquadradas como dispositivos médicos ou como equipamentos de proteção individual, e designadas como artigos têxteis" devem ser submetidas a testes de desempenho.

Os testes são feitos pelo CITEVE, que coloca este selo em todas as máscaras validadas. O CITEVE é um centro tecnológico sem fins lucrativos de inovação e desenvolvimento da indústria têxtil, e a ceritificação que passam está de acordo com as orientações da Infarmed e da DGS.

Para além das farmácias, parafarmácias e hipermercados, onde António Costa garante que as máscaras vão estar acessíveis, existem várias empresas e vendedores independentes que produzem máscaras certificadas. Na Lista de Máscaras Comunitárias Aprovadas pelo CITEVE, que se encontra em atualização permanente, pode encontrar várias opções disponíveis para venda. Pode também encontrar as especificações de cada máscara - algumas são de uso único, enquanto outras são reutilizáveis. O CITEVE tem também uma lista com outros dispositivos de proteção aprovados.


Quando e como usar as máscaras de proteção de forma segura?

Devemos usar máscaras de proteção nas seguintes situações:

  • Todos devemos usar máscaras de proteção sempre que estejamos em espaços interiores fechados com outras pessoas. É o caso dos hospitais e dos transportes públicos, mas também dos táxis e das lojas, por exemplo.
  • As pessoas mais vulneráveis ao vírus devem usar máscaras cirúrgicas sempre que saem de casa. Estas pessoas são os idosos (acima dos 65 anos), doentes crónicos e pessoas com estado de imunossupressão.
  • Profissionais de saúde, pessoas com sintomas respiratórios e todos aqueles que circulem em instituições de saúde também devem usar máscaras cirúrgicas.
  • Outros profissionais, cujo trabalho não permita o distanciamento social, devem usar máscara cirúrgica e outros dispositivos de proteção individual, como é o caso de luvas e viseiras. Neste grupo estão os distribuidores de bens, profissionais de atendimento ao público e outros.


Mas não basta usar máscara. Devemos ter outras precauções!

A máscara é uma medida de proteção adicional - sozinha, não é suficiente para nos proteger a nós e aos outros, e usada de forma errada pode agravar os riscos de transmissão de infeção. Assim, devemos ter outros cuidados para uma proteção eficaz contra o vírus. A DGS aconselha:

  • Usar a máscara corretamente: cobrir o nariz e o queixo e garantir que não há espaços abertos entre a máscara e a pele. Lavar as mãos antes e depois de retirar a máscara e removê-la (não baixar simplesmente) quando não precisar de a usar.
  • Distanciamento social: manter uma distância de segurança das outras pessoas (2 metros) e evitar locais com concentrações.
  • Higiene das mãos: lavar as mãos com sabão frequentemente e usar desinfetante quando tal não for possível. Evitar levar as mãos ao rosto. Também é importante higienizar com frequência objetos e espaços usados regularmente.
  • Etiqueta respiratória: tossir e espirrar para o interior do cotovelo ou para um lenço de papel e longe de outras pessoas, desinfetando e lavando as mãos assim que possível. Usar lenços de papel para se assoar, deitando-os fora de imediato e lavando as mãos.

Fonte: pumpkin.pt