O que os adultos deveriam saber sobre as crianças com dificuldades de aprendizagem?


04 Oct

Há muitas coisas que já sabemos sobre dificuldades de aprendizagem, mas ainda há muito mais por descobrir. Talvez fosse interessante se começássemos por nos colocar no lugar de uma criança com este perfil. O que será que ela gostava que soubéssemos? Quais as coisas que gostariam que nunca fossem confundidas? Afinal, que informação essencial é que os adultos deveriam ter sobre as crianças com dificuldades de aprendizagem?

Deixamos aqui alguns tópicos que poderão ajudar a compreender a realidade de algumas crianças com dificuldades de aprendizagem e que poderão ser úteis para delinear novas estratégias de comunicação, ensino-aprendizagem e de promoção do sucesso escolar:

  • As crianças não são a sua perturbação - Ter uma dificuldade de aprendizagem não significa que as crianças sejam apenas caracterizadas por essa própria dificuldade. Não são de todo. As crianças com dificuldades de aprendizagem são muito mais que a sua dificuldade, apesar de se confrontarem diariamente com ela. As dificuldades de aprendizagem são apenas uma parte ínfima de cada criança. E quando um amigo, um familiar ou um conhecido as confunde com uma componente delas próprias, estará a contribuir para o agravamento do problema e para a sua exclusão social. As crianças detentoras de uma dificuldade de aprendizagem são aquilo que são e não o que sentem, apesar das dificuldades.


  • As dificuldades destas crianças não são culpa de ninguém - Nunca surgem de forma intencional. É profundamente errado apontar o dedo a uma criança com dificuldades de aprendizagem como se ela fosse culpada dos erros que, involuntariamente pratica. Não tem culpa. Nem os pais. Ninguém tem. Ninguém deve ser responsabilizado. As dificuldades de aprendizagem podem, em alguns casos configurarem-se enquanto perturbações. Há formas de aprender a lidar com elas desde que avaliadas e acompanhadas de forma correta.


  • Gritos e castigos não fazem aprender mais depressa - Os gritos podem provocar fragilidades sócio-emocionais em qualquer criança. As crianças podem sentir-se ameaçadas, nervosas e com medo dos adultos que levem a cabo este tipo de atitudes. Se este padrão se mantiver, mais tarde, crianças e jovens podem eventualmente replicá-los na medida em que, por norma, olham para a família como um modelo a seguir. A educação nunca deve comportar gritos nem qualquer tipo de violência. Com assertividade, sim, mas com carinho e afeto. A parentalidade positiva é uma estratégia educativa assente no respeito mútuo entre pais e filhos e promove o desenvolvimento emocional equilibrado de crianças e jovens. Qualquer criança, à semelhança dos adultos, também gosta de ser elogiada quando se porta bem ou quando consegue desenvolver com sucesso as tarefas.


  • Crianças são crianças e necessitam de tempo para crescer- Devagar se vai ao longe. Seja paciente, algumas coisas podem levar mais tempo a aprender. Com paciência, empenho e a adoção de estratégias adequadas a cada situação os obstáculos relacionados com as dificuldades de aprendizagem serão gradualmente ultrapassados. É preciso promover junto destas crianças confiança nas suas próprias capacidades.


  • As crianças com dificuldades de aprendizagem são iguais a todas as outras -  Todas as crianças precisam de desenvolver hábitos saudáveis. Só com estabilidade e amor conseguirão crescer de forma equilibrada. Não deve haver lugar a comparações de crianças muito menos quando estas comparações incidem negativamente em crianças com dificuldades de aprendizagem. As crianças com dificuldades de aprendizagem são o que são, tal como todas as outras com todas as suas fragilidades e virtudes. Deste modo, todas as crianças devem ser respeitadas como tal, detentoras das suas respetivas características.


  • Pequenas realizações significam muito para as crianças com dificuldades de aprendizagem- Importa não esquecer que algumas conquistas até podem ser insignificantes aos olhos de um adulto, mas para crianças com dificuldades de aprendizagem valem ouro. E nunca devem ser desvalorizadas. Antes pelo contrário, cada tarefa bem sucedida deve ser sempre elogiada na medida em que esse elogio serve de estímulo para fazer ainda melhor da próxima vez. Cada tentativa, cada esforço desenvolvido devem ser enaltecidos. As recompensas não precisam de ser matérias.


  • Confie nas capacidades e sucesso destas crianças- Não desista de acreditar nos bons desempenhos de crianças com dificuldades de aprendizagem. Se acreditar no potencial e no sucesso destas crianças, estará a promover as suas competências de confiança e perceção de competências, ajudando-as a acreditar nas suas próprias capacidades. A confiança é uma boa arma para saber contornar os sentimentos negativos que possam ser desencadeados, por exemplo devido ao estigma da rejeição, infelizmente tão recorrente.


Autoria: Rita Ramos | Centro Sei