Como desenvolver a motivação em tempo de pandemia?


03 Feb
03Feb

Em tempo de pandemia é essencial garantir a motivação das crianças para que sejam autodidatas e aprendam por si mesmas, superando todos os seus limites. Nesta caminhada os pais devem transmitir-lhes disciplina e princípios básicos, que os ajudem na obtenção de bons resultados escolares.

Educar as crianças com disciplina não significa educá-los com punições, mas sim incentivá-los a alcançar os seus objetivos, incutindo-lhes a força de vontade necessária para superar os desafios que os ajudarão a melhorar, a cada dia, ganhando motivação, segurança e autoconfiança.

Nesse sentido, a Kumon reúne três aspetos de vital importância para serem trabalhados por pais e filhos: o sentido da responsabilidade que é a base da disciplina, da autonomia e da autoaprendizagem. Podemos, e devemos, ensinar as crianças a definir prioridades, cumprir horários e ter pequenas responsabilidades. Disciplina implica firmeza, mas também gentileza e respeito mútuo, o que resulta na melhoria da empatia e da comunicação, confrontando-nos com um ambiente favorável à disciplina positiva. 

Paixão por aprender constrói-se de mãos dadas com a disciplina, neste caso, a disciplina positiva. O primeiro passo para despertar essa paixão é gerar curiosidade por aprender e alimentá-la com desafios adequados à capacidade das crianças, desta forma, incentivamos a sua motivação para encontrar soluções e assumir novos desafios de aprendizagem.

Hábitos de estudo que são constituídos pela soma de rotinas diárias. Devemos promover a disciplina por meio de rotinas de estudo de acordo com a capacidade da criança, para que esta trabalhe os conteúdos programáticos por conta própria, seguindo as indicações do próprio material didático, de forma a que a criança não esteja exposto a um esforço excessivo. 

Em casa, o trabalho dos pais deve centrar-se em incutir uma disciplina positiva nos filhos, zelando para que não quebrem a rotina de estudos, priorizando a resolução dos exercícios logo no início do dia, utilizando os livros de correção para classificar os exercícios.

Estes três conceitos chave – sentido de responsabilidade, paixão por aprender e hábitos de estudo - foram desenvolvidos por Toru Kumon, professor de matemática do ensino secundário, que criou o método Kumon, quando o seu filho Takeshi começou a ter problemas nesta disciplina. Toru Kumon produziu uma série de cadernos que incluíam exercícios adaptados às capacidades do seu filho, com um grau progressivo de dificuldade e com muitas pistas, que lhe permitiu avançar por conta própria e tornar-se um autodidata.