Dashlane lança guia digital gratuito para crianças e pais/adultos


23 Feb
23Feb

Empresa elaborou um guia com dicas, disponível online para download, depois de ter chegado à conclusão de que quase metade das crianças entre os 5 e os 12 anos em Portugal não tem aplicações de controlo parental instaladas nos seus dispositivos.

No final do ano passado, a Dashlane - aplicação para telemóvel e computador que simplifica e protege a identidade digital e que conta com escritórios em Lisboa, Paris e Nova Iorque - promoveu um inquérito com o objetivo de retratar a relação entre as crianças dos 5 aos 12 anos em Portugal e o mundo online. Este inquérito, que analisou a utilização de dispositivos eletrónicos com acesso à Internet por parte desta faixa etária, assim como questões relacionadas com controlo parental, resultou num relatório lançado em dezembro de 2020 e que destacou algumas das principais conclusões, como o facto de cerca de 46%destas crianças não ter aplicações de controlo parental instaladas nos seus dispositivos.

No sentido de promover a sensibilização e a educação nesta área, é agora lançado um guia digital focado em cibersegurança, disponível gratuitamente online, e que conta com dicas para crianças e pais/adultos responsáveis. O guia, dividido em duas secções, inclui uma parte especialmente dirigida acrianças, com linguagem mais simples, terminando com contextualização e dicas dirigidas aos próprios pais e/ou adultos responsáveis.

Não falar com estranhos, não publicar informações pessoais, não instalar aplicações desconhecidas e falar sempre com um adulto em caso de dúvida são algumas das dicas para crianças. Já para adultos, os conselhos passam por, entre outros, instalar aplicações de controlo parental, comunicar regras claras e criar uma cultura de transparência.

“A Internet é um mundo surpreendentemente vasto a que as crianças acedem cada vez mais cedo, através dos diversos dispositivos eletrónicos que lhes colocamos à disposição. É fundamental que, desde o primeiro momento de contacto com este mundo, os pais e adultos responsáveis sejam parte ativa na educação e sensibilização para a cibersegurança e que as próprias crianças percebam imediatamente os perigos a que estão expostas, bem como entendam de que forma se podem proteger a si próprias e aos que lhes são mais próximos. Daí considerarmos este guia como sendo de extrema pertinência, ainda para mais numa altura em que grande parte das crianças tem uma utilização praticamente diária deste tipo de dispositivos, muito por força da necessidade de aulas online neste contexto pandémico”, sublinha Mafalda Garcês, Site Leader & People Director da Dashlane em Portugal.

Dashlane revelou que 8 em cada 10 crianças em Portugal tem pelo menos um dispositivo eletrónico com acesso à Internet

O inquérito promovido pela Dashlane no final do ano passado trouxe à luz do dia diversos dados importantes acerca da relação entre as crianças dos 5 aos 12anos em Portugal e o mundo online, como o facto de a grande maioria (8 em cada 10) ter pelo menos um dispositivo eletrónico com acesso à Internet. O tablet é o mais comum, com 66,7% das crianças que têm dispositivos eletrónicos a ter um equipamento deste género, seguido pelo smartphone (com57,1%) e pelo computador (com metade destas crianças a tê-lo). No que diz respeito ao tipo de utilização, a maioria (84,5%) das crianças que têm um ou mais dispositivos eletrónicos utiliza-os, segundo os pais, para jogar. Seguem-se ver vídeos (78,6%), ouvir música (42,9%), trocar mensagens (27,4%), ir às redes sociais (21,4%) e fazer chamadas (11,9%). De realçar que a utilização para fins escolares tem muito pouca expressão.

No campo do controlo parental, o inquérito da Dashlane revelou alguns dados que merecem reflexão, entre os quais o facto de mais de 11% das crianças que têm dispositivos eletrónicos não ter sido abordada pelos seus pais acerca da temática da segurança online. Mas há números ainda mais preocupantes, já referidos anteriormente: cerca de 46% das crianças entre os 5 e os 12 anos em Portugal com um ou mais dispositivos eletrónicos não tem qualquer aplicação de controlo parental instalada nos mesmos.

Curiosamente, segundo os pais inquiridos, quase 90% das crianças neste intervalo de idades vê o tempo que passa nos dispositivos controlado e quase92% tem controlo no tipo de conteúdos visualizados. No entanto, 42,7% das crianças que supostamente vêem o tempo que passam nos dispositivos controlado não tem, na realidade, nenhuma aplicação de controlo parental instalada nos mesmos. O mesmo acontece com 45,5% das crianças que supostamente vêem os conteúdos a que têm acesso controlados. 

O inquérito promovido pela Dashlane chegou a uma série de outras descobertas, nomeadamente relacionadas com o tempo médio de utilização dos dispositivos e o histórico de pesquisas online: quase 41% das crianças entre os 5 e os 12 anos não vê o seu histórico verificado pelos pais. Esta percentagem ainda é mais significativa nas faixas etárias mais baixas (5 e 6anos), com 46,7% das crianças na posse de dispositivos eletrónicos a não ver o seu histórico de pesquisas online verificado pelos pais.

Estas conclusões resultaram da análise de inquéritos efetuados a pais de 105 crianças entre os 5 e os 12 anos em Portugal, realizados entre os dias 19 de outubro e 9 de novembro de 2020. Na amostra estão representadas, de forma equilibrada, todas as idades no intervalo dos 5 aos 12 anos e vários distritos do país, com destaque para o do Porto e o de Lisboa.

As conclusões podem ser consultadas na íntegra no relatório final elaborado pela Dashlane.