Doutor Finanças apresenta 10 dicas para um Natal seguro e económico


16 Dec
16Dec

O Doutor Finanças, empresa especializada em finanças pessoais e familiares, apresenta 10 dicas fundamentais para passarmos um Natal seguro no que à nossa saúde e carteira diz respeito.

Conforme adianta Rui Bairrada: “Apesar de termos assistido à evolução da Covid-19, percebemos que a euforia do consumo vivida pelos portugueses em anos anteriores não se dissipou. Neste ano em especial, é necessário que esta época natalícia não comprometa o nosso orçamento. O planeamento é sempre fundamental. Nesta altura do ano, em que o apelo ao consumo é um dos maiores, este deve ser seguido à risca, de forma a não haver derrapagens indesejadas”. Este ano, a somar às preocupações financeiras, não nos podemos esquecer das preocupações relacionadas com a nossa saúde devido à Covid-19. Desta forma, o Doutor Finanças reuniu 10 dicas para um Natal seguro, não só a nível financeiro, como no que à nossa saúde diz respeito. 

1. Planear as compras 

Mesmo que falte apenas pouco mais de uma semana, estamos sempre a tempo de planear. Para isso, basta pensar e pesquisar o que vamos oferecer e a quem vamos oferecer. No entanto, para que não gastemos mais do que pretendemos ou do que temos, é importante que antes façamos as contas e percebamos quanto é que podemos/queremos gastar por cada pessoa e no total.   

2. Oferecer prendas “conjuntas”  

Esta dica tem dois sentidos possíveis. Por um lado, podemos juntar-nos a alguém para oferecer um presente a uma terceira pessoa, ou, por outro, podemos oferecer um só presente a mais do que uma pessoa, por exemplo, aos nossos pais. Podemos oferecer algo que pode ser partilhado, nomeadamente, vouchers de experiências para dois. Fica mais em conta. 

3. Optar por compras online  

Além de nos estarmos a proteger e a evitar expor-nos ao aglomerado de pessoas nos espaços comercias, vamos também estar a poupar tempo e dinheiro. Existem muitas marcas que fazem promoções e descontos exclusivamente para quem comprar online.  Numa altura em que falta pouco tempo para o Natal, alguns presentes comprados online podem não chegar a tempo. Mas não desista. Desta forma pode comprar o que quer e poupar dinheiro. A solução pode passar por fazer um postal de Natal onde indica o que a pessoa vai receber.  

4. Oferecer cheques-prenda  

Podemos sempre recorrer aos cartões oferta. Se, por exemplo, estabelecermos o limite de 15 euros por prenda, poderemos comprar um cartão presente nesse valor. Assim, quem receber o nosso presente, poderá utilizar o cartão para comprar algo de que realmente gosta e/ou precisa.   

5. Evitar pagar com cartão (crédito e não só) 

Associada a esta dica, vêm outras, igualmente importantes. Primeiro que tudo é aconselhável que tentemos pagar as nossas despesas natalícias sempre com dinheiro físico. E isto porque vamos conseguir perceber melhor o que está a sair da nossa carteira. Em segundo lugar, mesmo que tenhamos de pagar em cartão, devemos evitar utilizar o de crédito. Ao usarmos o cartão de crédito podemos estar a gastar mais do que podemos e o presente pode tornar-se mais caro no futuro, devido às taxas de juro associadas. 

6. Não recorrer ao crédito pessoal  

A época natalícia leva a que disparem os níveis de consumo. São muitas as famílias que recorrem aos bancos para financiarem as suas necessidades e desejos.  No entanto, solicitar um crédito pessoal devido ao Natal, pode criar problemas de sobre-endividamento no futuro. Vamos comprar o presente hoje, mas vamos estar a pagá-lo durante uma série de tempo. Temos ainda de acrescentar os juros que vão tornar o presente mais caro do que realmente foi.  Por isso, é importante fazermos um planeamento. Podemos optar por utilizar as nossas poupanças ou o subsídio de Natal para comprar as prendas a pronto, principalmente nesta altura, onde reina um clima de incertezas económicas devido à Covid-19.   

7. Aproveitar promoções  

Mesmo que a Black Friday ou a Ciber Monday já tenham passado, ainda é possível fazer compras mais baratas. A verdade é que são muitas as lojas que têm promoções o ano inteiro de seleção de artigos.  Outra solução passa por adiar estas compras para o final de dezembro, altura em que todas as lojas entram em saldos. Embora a maioria dos portugueses não considerem esta como uma opção viável, a verdade é que permite poupar muito, mas muito dinheiro.   

8. Cozinhar os pratos e as sobremesas de Natal  

Uma grande fatia das despesas de Natal é precisamente a comida. No entanto, mais cara ainda é a opção de encomendar ou ir comer fora. Além de ser mais barato confecionar as nossas refeições e sobremesas em casa, também é mais seguro.   

9. Reunir a família e os amigos à distância  

Apesar do cenário atual, felizmente existem as tecnologias que permitem encurtar as distâncias. Se não pudermos/quisermos reunir a família, para garantir a segurança de todos, podemos recorrer às plataformas online existentes para realizar o encontro. Podemos escolher fazê-lo durante o jantar e (ou apenas) para partilhar o momento de abrir os presentes, por exemplo.  

10. Rever todos os nossos custos  

Se temos vários créditos em mãos, como por exemplo, um crédito automóvel, um crédito pessoal para o computador e ainda cartões de crédito, podemos optar por consolidar todos os nossos créditos. Assim, vamos ficar apenas com um só crédito e mais barato.  Se por outro lado, a maior fatia do orçamento mensal vai para a prestação do crédito habitação, a solução pode passar por transferir o crédito para outra entidade.

O mesmo acontece com os seguros. O especialista em finanças pessoais e familiares aconselha ainda a rever os nossos contratos (luz, telecomunicações) e cancelar aqueles que não utilizamos (serviços de streaming, ginásio, entre outros).   

Dica extra 

Porque o Natal é dar e receber, o Doutor Finanças sugere comprar aquilo que é português e ajudar o comércio local.  Mais do que nunca, esta “pequena” ação é fundamental para ajudar todos os portugueses a fazerem face a este período complicado que o país está a atravessar. 


Sobre o Doutor Finanças:

O Doutor Finanças é uma empresa especializada em finanças pessoais e familiares, constituída por especialistas que ajudam pessoas individuais e coletivas a “curar as dores na carteira”. O site do Doutor Finanças partilha vários artigos e dicas de finanças pessoais, disponibilizando serviços gratuitos de consultoria financeira.
No mercado desde 2014, o Doutor Finanças conta já com uma equipa de mais de 100 “doutores”, que já ajudou mais de 50.000 pessoas a equilibrar as suas finanças e a sair de situações de sobreendividamento.