O Pinheiro Bombeiro está de volta este Natal


10 Nov
10Nov

Em vez de comprar uma árvore de plástico, pode ter uma verdadeira — e ajuda os bombeiros nacionais.


Quem nasceu nos anos 70, 80 e até 90 sabe que durante muito tempo não havia, em Portugal, o hábito de comprar pinheiros de Natal de plástico. O ritual a que nos habituamos nos últimos anos, de ir ao armário ou arrecadação buscar a caixa com a árvore, montá-la ao aproximar da quadra, desmontar em janeiro, guardar numa caixa, repetir no ano seguinte — simplesmente não existia.

Para muitas famílias e durante muitos anos o ritual foi outro: ir comprar um pinheiro verdadeiro (ou ir cortá-lo ao pinhal), levá-lo para casa e decorá-lo. Durante umas semanas sentia-se um bocado de natureza entre quatro paredes e um cheiro único e característico — que, para tantos, ficou para sempre associado à própria época festiva.

Retomando essa tradição mas de uma forma mais sustentável, amiga do ambiente e até solidária nasceu há cinco anos o Pinheiro Bombeiro. A iniciativa arrancou devagar, em 2017, e partiu de quem se preocupava com a limpeza das matas, no rescaldo de um incêndio que então que marcou o País.

O fenómeno e a ideia foram crescendo, tornando-se conhecidos — e os pinheiros são cada vez mais procurados e elogiados. Este projeto único conseguiu manter-se ativo no ano de pico da pandemia e regressa agora que a situação está melhor, mais cedo do que nunca. 

Segundo um anúncio feito no Facebook este domingo, 7 de janeiro, já pode encomendar o seu Pinheiro Bombeiro online. “Foram ouvidas as mensagens, querido público. E voltamos emocionados por ser um ano muito especial para nós: o Pinheiro Bombeiro faz 5 anos! Voltamos com uma (ainda) maior consciência ambiental e com vontade de educar por um planeta mais sustentável”, começa por explicar a publicação. 

A iniciativa tem sido um sucesso, conseguindo cada vez mais adeptos e a cada ano que passa arranca mais cedo — percebe-se porquê. Fica feliz quem compra o seu pinheiro de Natal e regressa a um passado em que as árvores eram verdadeiras e não de plástico, com um aspeto e cheiro inigualáveis; ganham os bombeiros portugueses, que recebem apoios pelas vendas; e até o ambiente, já que as árvores que vão para sua casa seriam sempre cortadas para limpar terrenos e prevenir incêndios. Após o uso, são ainda reaproveitadas para biomassa.

Para alugar o seu pinheiro, é muito simples: só tem de ir ao site da iniciativa e fazer o pagamento online até dia 19 de dezembro.

Cada pinheiro tem cerca de 1,80 metros de altura e um metro de largura e custa 20€, que já incluem uma doação de 5€ aos bombeiros nacionais. Pode acrescentar ainda uma doação extra a esta causa, se quiser; e também adicionar os enfeites de Natal, disponíveis em vários pacotes, por um custo adicional.

Se quiser o seu pinheiro entregue em casa, acrescenta 17€ ao valor, sendo que esse serviço só é possível na Grande Lisboa e no Porto. Se não, paga na mesma na hora, reservando o seu pinheiro e depois pode ir buscá-lo a um dos pontos de recolha identificados no site (por enquanto apenas em Lisboa) e que vão abrir em datas a anunciar em breve.

Quaisquer dúvidas podem ser resolvidas através da plataforma ou do Facebook, ou Instagram, onde a resposta parece ser breve. A uma pessoa que pergunta por exemplo se os pinheiros cabem no carro, é respondido que “até em Smarts”, já que a árvore é embalada numa rede sustentável no próprio espaço do evento e perde bastante volume.

Depois da quadra, quando passar o Natal deste ano e ficar com um pinheiro em casa, saiba que estará na altura do Pinheiro Bombeiro servir aquele que sempre foi o seu propósito inicial: ser transformado em biomassa.

Este ano, no entanto, há novidades. “Continuamos a promover a devolução do Pinheiro Bombeiro. No entanto, e porque lutamos por uma campanha sustentável, não incentivamos viagens de carro para devolveres o teu Pinheiro. Damos-te outras opções que terão menor pegada de carbono”, explica a Rnters no site. Ou seja, poderá na mesma levar o seu pinheiro a um ponto de recolha, a anunciar oportunamente; mas pode também pedir às autarquias o serviço gratuito de recolha de resíduos verdes, cujos contactos são ali divulgados. Se tiver lareira ou conhecer quem tenha, pode tratar do assunto pelas suas mãos e transformar o pinheiro numa espécie de biomassa caseira — com os devidos cuidados, claro.

Em cinco edições, a iniciativa já conseguiu recolher mais de 96 mil euros, doados em material para os Bombeiros Voluntários. Foram ainda cortados mais de 14 mil pinheiros, para manter os terrenos limpos; distribuídas mais de mil luvas e máscaras, em 18 distritos do País.