10 regras para a utilização da Internet


21 Nov
21Nov

É fundamental mostrar que a Internet tem muitos aspetos positivos, mas também alguns negativos, e que se não forem tomadas as devidas precauções, crianças e jovens ficam expostos aos mesmos.


De forma gradual, pode dar-se alguma independência às crianças e jovens na utilização da Internet. Na impossibilidade de estar presente sempre que a utilizam, podem estabelecer-se algumas regras, de forma clara e objetiva, sobre o uso da mesma.

De qualquer forma, as ferramentas de controlo parental devem continuar a ser usadas, assim como a colocação do computador num local de utilização comum, o que facilita a supervisão das atividades dos seus filhos na Internet.

É importante sabermos onde e com quem andam os nossos filhos, ainda que digitalmente.

Um dos motivos de conflito entre pais e filhos quanto ao uso da Internet tem que ver com o tempo gasto, especialmente nas redes sociais. Para evitar essa situação, é importante definir muito bem em que circunstâncias e quanto tempo pode ser dedicado à pesquisa para trabalhos escolares e ao entretenimento.

A comunicação entre pais e filhos é fundamental, e os filhos devem ser incentivados a referirem sempre que se sentirem incomodados ou que algo ou alguém os faça sentirem-se ameaçados. Quando isto acontecer, permaneça calmo e escute ativamente o que têm para dizer, sem criticar, dando-lhes a segurança de que precisam. Se responder de forma adequada a esta situação, vai incentivar o seu filho a procurá-lo noutras situações semelhantes.

A colocação de fotografias e/ou vídeos na Internet também é algo para que as crianças e os jovens devem ser alertados. Quando publica o que quer que seja na Internet, é para sempre. Mesmo que, posteriormente, seja retirado, alguém pode já ter guardado e pode publicar quando quiser. As imagens publicadas podem ainda dar indicações sobre a vida de quem as publica, como, por exemplo, os locais e a escola que frequenta, onde passa férias, a residência, daí a importância de serem os pais a decidirem as imagens que podem ser disponibilizadas online.

É fundamental mostrar que a Internet tem muitos aspetos positivos, mas também alguns negativos, e que, se não forem tomadas as devidas precauções, crianças e jovens ficam expostos aos mesmos.

Faça este contrato com o seu filho e coloquem em práticas estas 10 regras. 

CONTRATO

Eu, ___________________________________ (nome do/a filho/a), comprometo-me utilizar a Internet segundo as regras que os meus pais estabeleceram, com as quais eu concordo, e que são as seguintes:

1. Posso usar a Internet ___horas/minutos (tempo) por dia/semana para entretenimento (jogos, consulta de sites, redes sociais).

2. A senha das redes sociais é do conhecimento dos meus pais, mas nunca dos meus amigos.

3. Só visitarei sites autorizados pelos meus pais.

4. Se quiser comprar algo online, peço aos meus pais para efetuarem a compra.

5. Comunico aos meus pais se for abordado/a de forma inapropriada por alguém (palavrões, convites, conversas íntimas, fotografias ou imagens de conteúdo sexual) ou se me sentir incomodado/a com alguma coisa.

6. Tenho noção de que os amigos das redes sociais são só amigos virtuais e podem não ser quem dizem. Só marcarei encontro com alguém, excecionalmente, se os meus pais souberem e autorizarem.

7. O meu endereço, número de telefone/telemóvel, escola e locais que frequento ou a minha senha de acesso não são para partilhar na Internet.

8. Só posso publicar fotografias autorizadas pelos meus pais.

9. Devo respeitar os outros e não fazer comentários depreciativos ou maldosos sobre ninguém.

10. Estas regras aplicam-se à utilização da Internet no meu telemóvel/tablet/computador.

Data: ___-___-___

Assinatura do filho: ____________________________________________________________

Assinatura dos pais: ____________________________________________________________

Estas são regras que normalmente cumprimos no quotidiano; apenas têm de ser transferidas sempre utilizarmos este meio.

Sensibilizar as crianças e os jovens para a aceitação e o uso das boas práticas e regras de utilização da Internet deve ser uma tarefa quer dos pais quer dos agentes educativos.

Fonte: portoeditora.pt