Máscaras com arte: já é possível estar protegido com os padrões de Van Gogh


06 Aug

Diretamente do Museu Van Gogh em Amesterdão, a experiência Meet Vincent van Gogh em Lisboa disponibiliza para venda máscaras de protecção com os padrões de duas das obras mais famosas do pintor: “Amendoeira em flor” e “Doze Girassóis numa Jarra”.

Num momento em que as máscaras assumem um papel de extrema importância no dia-a-dia de todos e em que a protecção e a moda já “andam de mãos dadas”, a experiência Meet Vincent van Gogh em Lisboa passa a tornar possível que os fãs do pintor se protejam com arte, levando para qualquer lado os padrões incontornáveis do artista holandês.  

Estes produtos encontram-se à venda na loja oficial situada no Terreiro das Missas em Belém, que pode ser visitada após uma visita à exposição ou de forma individual.  

Sobre os quadros:  

“Amendoeira em Flor” 

As amendoeiras florescem no início na primavera, o que torna este quadro um símbolo de uma nova vida, tendo sido oferecido ao seu irmão Theo e à cunhada Jo, aquando do nascimento do filho Vincent Willem, seu sobrinho. Como homenagem a Van Gogh, foi-lhe dado o mesmo nome, na esperança de que fosse tão determinado e corajoso quanto o pintor.  

“Doze Girassóis numa Jarra” 

O pintor desejava ser conhecido como o “pintor dos girassóis” e, por isso, deu-lhes um papel de destaque, sendo ainda hoje reconhecido como tal. Vincent não assinou, porém, apenas uma versão deste tipo de pintura, mas sim sete, com o objectivo de experimentar contrastes de cores cada vez mais extremos. Depois de rasgados elogios por parte de Gauguin, foi com estes quadros que Van Gogh decorou o quarto de hóspedes onde recebeu o amigo no sul de França, que pretendera estabelecer como o local em que a comunidade de artistas pudesse viver, trabalhar e inspirar-se.  

Meet Vincent van Gogh é agora um lugar mais seguro para todos

Sensibilizada para a necessidade de garantir a segurança de todos os que trabalham e visitam a experiência, a UAU tomou diversas medidas de reforço da higienização do espaço, de organização de acesso de público ao evento e de redução da capacidade em cada momento. Para saber mais: www.uau.pt/.  

Além das máscaras, estão ainda disponíveis produtos inspirados nos quadros “Amendoeira em flor” e “Doze Girassóis numa Jarra”, como chávenas, lenços, meias, malas, peluches, leques ou sacos.  

Preços: 

4ª a 6ª / Sábados e Domingos 

Adulto – 13€/15€ 

Estudante – 9€/11€ 

Criança (4 a 17 anos), Séniores (+65 anos), Mobilidade condicionada – 9€/11€ 

Família (2 adultos e 2 crianças) – 29,5€/36€

Até 3 de Janeiro, Meet Vincent van Gogh vai continuar no Terreiro das Missas, em Belém, de 4ª a domingo, das 10h às 19h (última entrada às 18h). 

Os bilhetes adquiridos para o período de suspensão, entre 13 de Março e 31 de Maio, são válidos até dia 30 de Setembro, não necessitando de ser trocados previamente mas dependendo da disponibilidade do espaço no momento.  

OUTROS PRODUTOS



Sobre Meet Vincent van Gogh:  

Esta experiência, além de ter como missão a preservação e difusão da obra de Vincent van Gogh, que perdura e continua a fascinar milhares de pessoas, tem como mote “Please, Do Touch” e apresenta-se como uma viagem pelos sentimentos, angústias, amores e pensamentos do pintor, permitindo aos visitantes tocar e interagir durante toda a visita. Para enriquecer o percurso, os participantes contam com áudio-guias, em versão infantil – que contém uma caça ao tesouro – e adulta, que em conjunto com os diversos pontos interactivos, projecções, filmes e fotografias permitem o aprofundamento do conhecimento da vida de Van Gogh, através de detalhes retirados da vasta correspondência que manteve ao longo da vida. Nesta experiência são retratados os principais locais da vida do pintor, como o café Le Tambourin, em Paris, o hospital de Saint-Rémy onde esteve internado, a Casa Amarela em Arles ou o seu famoso quarto, que permitem e desafiam o visitante a fazer parte da experiência, desde estar à mesa com os “Comedores de Batata”, subir ao monte de feno em Arles, tirar uma fotografia no “Quarto” do artista, ouvir as histórias por trás das obras, sentir as tintas da sua paleta ou percepcionar as técnicas de perspectiva utilizadas na época. Como afirma Paulo Dias, director geral da UAU, esta é uma experiência em que “as pessoas podem desenhar de acordo com as técnicas do pintor, por exemplo”, complementando que “é uma oportunidade para quem não tem hipótese de ir à Holanda ou que já foi, mas quer ver o artista de outra forma”.