Teclados vs canetas? 6 Razões para preferir a escrita à mão


23 Jan
23Jan

BIC®, marca histórica líder em artigos de papelaria, afirma que escrever à mão traz evidentes vantagens face ao teclado.

A prática do lettering, o regresso ao diário pessoal e novos hobbies como o bullet journal confirmam que a arte de escrever à mão é uma tendência evoluir de modo imparável. Contudo, apesar deste novo fôlego sobretudo como forma de expressão, o fenómeno coexiste com o auge dos ecrãs e teclados em todos os âmbitos, sobretudo no educativo onde cada vez marcam mais presença. 

Perante este panorama, neuro investigadores e psicopedagogos consideram que escrever à mão traz inúmeras vantagens face à escrita no teclado. Diferentes estudos defendem que os movimentos sequenciais da mão utilizados na escrita manual ativam grandes regiões do cérebro responsáveis pelo pensamento, linguagem, cura e memória

Por isso mesmo, e tendo como mote o Dia Mundial da Escrita à Mão (23 de janeiro), a BIC, icónica marca de esferográficas e artigos de papelaria, revela os 6 principais motivos, entre muitos outros, pelo que é importante promover a escrita manual, tanto entre os mais novos como nos adultos. 

  1. Melhora o desenvolvimento cognitivo das crianças e a alfabetização.

Escrever à mão revela-se essencial para o desenvolvimento cognitivo das crianças, uma vez que ativa o cérebro mais do que o teclado e envolve habilidades motoras e cognitivas mais complexas. Especialistas acreditam que o ato de formar letras à mão, enquanto se aprendem os seus sons, ativa circuitos de leitura no cérebro, promovendo a alfabetização. Da mesma forma, a escrita à mão é também uma habilidade fundamental para um bom desempenho nas matemáticas

  1. Ajuda a ter uma maior capacidade de compreensão na leitura.

Dominar a escrita à mão ativa a perceção visual das letras, o que contribui para ler com maior fluidez e alcançar uma melhor compreensão dos textos. Por outro lado, as crianças que apresentam dificuldades em dominar a escrita à mão tendem a produzir um trabalho escrito pouco satisfatório, sendo-lhes difícil detetar e corrigir os seus próprios erros. Adicionalmente, a escrita deficitária pode levar a que o conteúdo seja pouco inteligível, mesmo que tenha qualidade, prejudicando no momento da avaliação. 

  1. Melhora a memória e o processo de aprendizagem.

De forma similar à meditação, a escrita à mão aumenta a atividade neuronal em determinadas secções do cérebro, estimulando-o, e mantendo a sua massa cinzenta em forma, o que ajuda na hora de aprender. Deste modo, diferentes estudos apontam que melhora a memória, de tal forma que quando novos conceitos são trabalhados através da escrita manual em vez do teclado, são mais facilmente retidos

  1. Facilita um melhor conhecimento da ortografia.

Alguns estudos demonstram que as crianças que praticam a escrita manual não só desenvolvem melhor a leitura, como também a ortografia, pois existem cada vez mais dados que asseguram que um componente motor pode estar mais envolvido na aquisição ortográfica. Assim, os movimentos específicos memorizados ao aprender a escrever ajudam a formar representações ortográficas na memória. Além disso, a investigação divulga que a aprendizagem da ortografia é mais eficiente quando é mediada pela escrita à mão do que por outras práticas (como a ortografia em voz alta). 

  1. Favorece uma maior facilidade e fluidez na redação de textos.

Investigações revelam que a fluidez na escrita está fortemente relacionada com a qualidade e complexidade dos textos dos alunos. Em especial a escrita cursiva (ou itálica), pode ativar regiões do cérebro vinculadas com a fluidez da linguagem

  1. Fomenta a criatividade e o relaxamento.

A escrita à mão reduz as distrações aumentando o foco e fomentando a criatividade. Através da caligrafia histórica e artística, por exemplo, procura-se satisfazer o impulso de criar algo com as mãos sem intermédio de teclados ou ecrãs, nem a possibilidade de carregar no botão 'apagar', prática que se converte numa total desconexão digital. Assim, além dos benefícios no âmbito educativo e académico, o ato de praticar a caligrafia é para muitas pessoas uma atividade relaxante

A maioria das conclusões apresentadas integram o 'Relatório sobre a escrita digital' elaborado pela BIC, que analisa o papel atual da escrita e a sua prática em todas as vertentes, assim como a coexistência da antiga e eterna forma de escrever à mão com as novas tecnologias. 

Pode ver este relatório abaixo: