05 Dec
05Dec

Há determinados assuntos que nenhum adulto gostaria de falar com uma criança e o cancro é um desses assuntos. Sendo uma doença que chega sem avisar e que, muitas vezes, é detetada já num estado avançado, o cancro é uma doença assustadora até para os adultos. Assim, na hora de explicar a doença às crianças, a verdade é que muitas vezes os adultos não se sentem emocionalmente preparados e esclarecidos para elaborar um discurso adaptado, com linguagem apropriada e de fácil entendimento para os mais novos. Com este artigo esperamos ajudar as pessoas a abordar o tema com as crianças, através de uma linguagem simples e adaptada.

O que é o cancro?

O corpo humano possui muitas e muitas células e, tal como acontece nas pessoas, estas células não são todas iguais. No entanto, todas têm algo que as une: nascem e têm tarefas muito bem definidas. Quando as células deixam de funcionar, morrem. Nessa altura, nascem novas células para ocupar o lugar das anteriores. Mas, há situações em que as células com defeito não morrem, ao mesmo tempo que as novas células que as iriam substituir continuam a desenvolver-se. Nestes casos gera-se um tumor, que pode aparecer em qualquer lugar do corpo.

Existem, depois, dois tipos de tumores. Os tumores benignos são os menos perigosos pois crescem devagar, não se espalham pelo corpo, e são com frequência possíveis de retirar. Já os tumores malignos são os que recebem o nome de cancro uma vez que se desenvolvem depressa e podem chegar a outras partes do organismo. Quanto mais cedo são descobertos os tumores, mais fácil é tratá-los.

Como se sabe se alguém tem cancro?

Para se ter a certeza de que uma pessoa tem cancro é necessário ir a uma consulta, pois apenas um médico pode confirmar que alguém tem uma doença. Apesar disso, há por vezes reações no corpo a que se deve estar atento, pois podem indicar que algo não está bem. No caso do cancro alguns dos sintomas mais comuns são:

• Aparecimento de uma massa (uma pequena “bola”) no corpo;

• Um novo sinal na pele;

• Sensação de cansaço ou fraqueza várias vezes;

• Perda de peso;

• Alterações na urina;

• Aparecimento de sangue nas fezes, urina ou boca;

• Dificuldade em respirar;

• Alterações no comportamento dos intestinos. 

Para que as crianças não fiquem preocupadas é importante destacar que se algum destes efeitos surgir, não significa que é cancro. Há várias doenças que podem ter reações semelhantes. Além disso, há cancros que não causam sintomas durante muito tempo.

O que se pode fazer para reduzir as probabilidades de se ter cancro?

Há vários comportamentos que ajudam a reduzir o desenvolvimento de doenças como o cancro. No que respeita à alimentação, por exemplo, é importante comer alimentos ricos em vitaminas e nutrientes, como os vegetais e a fruta. Também é essencial evitar alimentos processados (como as salsichas e os refrigerantes) e comida com muito açúcar (gomas, bolos e outros). Em relação aos líquidos, não se deve beber álcool em quantidades elevadas. Comportamentos como fumar ou passar demasiado tempo ao sol são igualmente maus para a saúde. Já um bom hábito para se iniciar é a prática de exercício físico, pois mantém o corpo saudável.

Como se trata o cancro?

Há cada vez mais formas de tratar o cancro, que são também cada vez mais eficazes. Para tratar o cancro, pode ser preciso fazer um ou vários destes tratamentos, dependendo do tipo da doença e o seu “estado”. 

A cirurgia é o tratamento mais comum. Nestas situações, os médicos põem o paciente a dormir para poderem observar os seus órgãos e retirar o tumor. Há também a hipótese de fazer radioterapia que é um tratamento feito através de raios emitidos por uma máquina, que tornam o tumor mais pequeno ou diminuem a dor causada. Existe ainda a quimioterapia, em que são utilizados medicamentos que servem para parar o crescimento das células doentes. Depois deste tratamento as pessoas costumam sentir-se cansadas e podem, por exemplo, perder cabelo durante algum tempo.

Recentemente têm sido desenvolvidos novos meios para combater o cancro. Um deles é a imunoterapia, que ativa o sistema imunitário, ou seja, o sistema de defesas naturais do ser humano, com o objetivo de destruir as células geradas pelo tumor. Outro método utilizado é o transplante de células estaminais, em que se coloca no corpo da pessoa doente novas células que vão permitir que se faça tratamentos como a radioterapia ou a quimioterapia com doses mais elevadas.

É importante lembrar as crianças que, no que respeita ao cancro e outras doenças, nunca se está sozinho e que não se devem deixar assustar. Devemos incentivar as crianças a continuarem a brincar com os amigos e a falarem com os pais sempre que tiverem dúvidas sobre a doença.

Este artigo Médis foi preparado e validado com a colaboração de: 

Carlos Zagalo, Médico do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Otorrinolaringologista no Hospital Lusíadas Lisboa

Marta Calado, Psicóloga Infantil