05 Dec
05Dec

A gripe é uma «doença aguda viral que afeta predominantemente as vias respiratórias», lê-se no site da Direção-Geral da Saúde (DGS). Apesar de não ser uma patologia exclusiva da época fria, é nesta altura - mais precisamente entre dezembro e fevereiro - que tem maior prevalência no nosso país.

Transmite-se através de «partículas de saliva de uma pessoa infetada, expelidas sobretudo através da tosse e dos espirros, mas também por contacto direto com partes do corpo ou superfícies contaminadas, como por exemplo, através das mãos», explica a DGS.

Tal como nos adultos, a gripe infantil tem um período de incubação de 1 a 5 dias, diferenciando-se apenas no período de contágio, que, no caso das crianças, começa 1 a 2 dias antes do início dos sintomas e pode prolongar-se além dos 7 dias.

Por estas razões, e por terem um sistema imunitário mais débil, os mais pequenos acabam por estar mais suscetíveis de a contrair. Por isso, é importante tomar medidas preventivas.

COMO PROTEGER DA GRIPE?

Há várias medidas simples que podem ajudar a evitar que as crianças tenham gripe:

− quer as crianças, quer as pessoas que cuidam delas, devem lavar as mãos com frequência, com água e sabão ou usar álcool-gel

− quando se tosse ou espirra, deve-se tapar o nariz e a boca com um lenço de papel ou com o braço

− os lenços de papel devem ser de utilização única e colocados no lixo

− evitar mexer nos olhos, nariz e boca sem higienizar as mãos primeiro

− os brinquedos e outros objetos partilhados pelas crianças devem ser lavados, de preferência, diariamente

− os espaços onde estão as crianças, quer em casa, quer nas creches, infantários e escolas devem ser arejados

− em época de gripe, evitar expor as crianças a ambientes com muitas pessoas, como os serviços de urgência, aos quais se deve recorrer apenas quando absolutamente necessário

− as pessoas com sintomas de gripe que contactam com crianças devem usar máscara.

“O MEU FILHO ESTÁ COM GRIPE?”

Não raras vezes, a gripe é confundida com constipação, apesar de não serem a mesma coisa. Os vírus que estão na sua origem são diferentes: a gripe é causada pelo vírus influenza, enquanto as constipações por outros vírus, como por exemplo, os rinovírus.

Desta forma, também os sinais do seu aparecimento acabam por se diferenciar. Na constipação, os mais pequenos apresentam, muitas vezes, o nariz entupido, espirros, olhos húmidos, irritação na garganta e dor de cabeça.

Já na gripe infantil, aos sintomas anteriores juntam-se-lhes a febre alta e as dores no corpo, sendo que estes sinais ocorrem de forma súbita (na constipação, o início dos sintomas é gradual), revela o site da DGS.

SINTOMAS DA GRIPE INFANTIL

Na gripe infantil, os sintomas não são sempre os mesmos em cada criança, pois tudo depende da idade que cada uma tenha. Nos bebés, a «febre e a prostração são as manifestações mais comuns», assim como os sintomas gastrointestinais (náuseas, vómitos, diarreia) e respiratórios(laringite, bronquiolite).

Em crianças mais velhas, os «sintomas são semelhantes aos do adulto»: súbito mal-estar, febre alta, dores musculares e articulares, tosse seca e dor de cabeça, podendo ocorrer inflamação dos olhos, salienta a Direção-Geral da Saúde.

“SERÁ COVID-19?” 

Na maioria das crianças, a COVID-19 pode não apresentar quaisquer sintomas ou manifestar-se com sintomas ligeiros semelhantes a uma constipação ou gripe. Elas podem ter febre, tosse e, por vezes, dificuldade em respirar. Em alguns casos, observa-se dor de garganta, dores no corpo, cansaço e diarreia. Ou seja, torna-se difícil, pelos sintomas, saber se estamos perante constipação, gripe ou COVID-19.

Certo é que a infeção por SARS-CoV-2 tem causado doença menos grave nas crianças, comparativamente com os adultos. 

Além disso, nos mais novos a incidência de COVID-19 é menor e os sintomas mais ligeiros e transitórios. No entanto, as crianças são um risco para as pessoas mais velhas já que, não tendo sintomas, podem transmitir a doença.

Em caso de sintomas respiratórios, como febre, tosse ou dificuldade respiratória, e contacto com um caso confirmado, a criança deve fazer o teste específico para se confirmar o diagnóstico de COVID-19. Como forma de prevenção, a vacina contra a COVID-19 é recomendada a crianças a partir dos 12 anos.

CUIDADOS A TER EM CASO DE GRIPE

Se a sua criança apresenta estes sintomas, é necessário tomar algumas previdências:

− deixe-a em casa, em repouso

− vigie-lhe regularmente a temperatura

− proteja-a do frio, agasalhando-a bem com várias camadas de roupa

− aplique-lhe soro fisiológico para descongestionar o nariz

− lave-lhe frequentemente as mãos, para evitar possíveis contágios

− não lhe administre antibióticos, pois não atuam em infeções virais

− faça-a ingerir mais líquidos (preferencialmente água, chás e sumos de fruta naturais), para reforçar as defesas do organismo e evitar a sua desidratação

− consulte o médico de família ou pediatra.

Artigo Médis