lado a lado


lado a lado
Há muito, muito tempo
Quando o sol era pequenino
E ia a correr pelo céu
Com pressa de ir brincar
Com as nuvens à apanhada
Tropeçou, trapalhão, num raio
Que se partiu em bocadinhos
Que logo o vento varreu
Mas, à noite, a mãe natureza
Vendo dormir o catraio
E estando escuro como breu
Pensou que dormiria melhor
Se deixasse a noite acesa
Então, juntou um a um os pedacinhos
Os maiores e os pequeninos
E ao céu escuro os prendeu
Bordando-o a ponto-luz
Nasceram assim as estrelas
Como nós as conhecemos
Não é de admirar
Pois do que as mães são capazes
Todos nós já bem sabemos…


lado.a.lado